Quinto passo

Prece

"E nós seres humanos, enquanto encarnados, temos muita dificuldade de acessarmos, esse corpo de idéias, esse corpo de amor, essa entidade que nos envolve o tempo todo. Entidade coletiva.

(...)

Nesse momento nós percebemos, o quanto o divino, habita os nossos  dias, e quanto nós não nos apercebemos da presença do divino em nós.
(...)

 Amados, como nós, de vida em vida, de experiência em experiência, vamos migrando esses nossos valores.

(...)

Vamos ressignificando, tirando de nossos olhos essas ilusões que nos levam a um encadear de dores de conflitos.

(...)

 Que o nosso amado Mestre Jesus, nos ajude, a tirarmos dos nossos olhos todas as visões equivocadas, ilusórias - as traves - como nos disse o nosso doce Raboni, e que nós possamos enxergar tal qual é, a realidade, e enxergar a beleza de Deus em cada um."

Prece

Prece - Casinha Belém
00:00 / 00:00

Amados e amadas, vamos então seguindo na nossa noite... mais uma noite juntos, mais uma noite... Quis Deus, quis a providência Divina, que nos reuníssemos sobre esse teto, mas, sobretudo reunidos por esse afeto, por essa confiança, por esse desejo imenso de agregarmos este sentimento de amor que nos reúne. Este desejo de verdadeiramente caminharmos  em direção a Jesus, ao nosso doce Raboni, e a todo ensinamento deixado por este Cristo de Deus para todos nós. Uma sede que atravessa vidas e vidas. Uma sede que  faz mover em nós, esse desejo imenso, dessa reunião, dessa busca - doce busca! A busca da religiosidade.

Amados e amadas, unidos estamos mais uma vez,  para celebrarmos esse corpo de amor, que, uma vez reunidos, ele se forma. Ele tem vida. Ele sobrevive, ele desenha num espaço incorpóreo - desenha um modelo - uma maneira de nós juntos bebermos dessa fonte imensa. O corpo de amor aqui está. “Deus”, aqui está. A proposta do Divino, do amoroso, aqui está. E nós seres humanos, enquanto encarnados, temos muita dificuldade de acessarmos, esse corpo de idéias, esse corpo de amor, essa entidade que nos envolve o tempo todo. Entidade coletiva, entidade onde há uma reunião de amores, de afetos e de esperanças... Mas nós, movidos pelo o nosso dia-a-dia, movidos pelas nossas necessidades, que se nos desenham, emergenciais, urgentíssimas, nós muitas vezes nos esquecemos, da beleza de grandiosidade de que nos é ofertado a cada minuto.

Pensemos...

Vocês já pararam pra observar, a grandeza que há, em nossos filhos? Aqueles que já geram filhos ou que receberam de Deus a dádiva de ter um ser vivente sob a sua responsabilidade. Vocês já observaram a grandeza, a beleza, a majestade do divino ali presente? Aqueles olhinhos a nos olhar, e pedir de nós, o nosso melhor. Ah... Amados como conhecemos o Divino quando entramos nesse campo amoroso, de entrega, de relacionamento profundo!

Amado e amada, as ilusões nos retiram desses lugares. Nós muitas vezes, priorizamos aquela coisa mais emergencial, imediatista, e esquecemo-nos de olharmos de maneira doce, bela,  profunda, pra aquelas coisas mais simples. Por exemplo, nossos companheiros, maridos, mulheres, filhos... Nossos pais! Já te acorreu que amanhã você pode não estar junto mais com o teu papai com a tua mamãe? Já te ocorreu isso? Já te ocorreu que o teu filho ou tua filha,  pode por um motivo divino, abandonar,  deixar de estar junto contigo?

Ah! Amados, como faz falta...Como abre em nós um lugar de vazio imenso... Semelhante  por exemplo,  a uma árvore que nós habituados a vê-la todos  os dias, passamos por ela e esquecemo-nos da presença daquele ser majestoso ali a nossa frente. Mas quando ela é retirada, que dor! Que vazio, que vazio... Nesse momento nós percebemos, o quanto o divino, habita os nossos  dias, e quanto nós não nos apercebemos da presença do divino em nós.

 Mas... essa senhora(*) diante do recipiente, que recolhia as ofertas, mostrou o quanto existia pra ela  esse mundo incorpóreo, esse mundo de esperanças, esse mundo de futuros. Mesmo em meio as maiores dificuldades, ela coloca o que ela não tem, ou seja, ela coloca o que ela “mais tem”: Seus sonhos, seus projetos de amor, sua sede de um mundo justo e honesto, belo! Ela aposta exatamente nesse corpo, um corpo de idéias, de sonhos,  de esperanças .Ah! Amados como nós, de vida em vida, de experiência em experiência, vamos migrando esses nossos valores.

Vamos ressignificando, tirando de nossos olhos essas ilusões que nos levam a um encadear de dores de conflitos... Sim! Passamos vidas e vidas, para entender que o dinheiro não é a solução dos nossos problemas. Pelo contrário, quanto mais dinheiro, maior a nossa responsabilidade para organizar esse quantun de matéria a nossa volta.

Amado, amada, nós migramos de encarnação em encarnação... Nós migramos de uma pra outra, elaborando esses princípios profundos de nossa alma. E aí, claro, ganhamos as possibilidades de tarefas, ganhamos os recursos para enfrentarmos as nossas decisões e resoluções e, claro, de acordo com aquilo que nós aguentamos, podemos, estamos habilitados a... E Deus na sua generosidade imensa, oferta: O corpo,  uma família... Oferta  saúde,  doença enfim... nós temos ali, recursos terapêuticos -  divino - para dar cumprimento a nossa missão. A nossa tarefa,  ao nosso propósito... E aí? Uma vez aqui, vivendo essa experiência amorosa, divina - que é a nossa encarnação - aqui nós temos então, esse momento, esse doce maravilhoso momento da vida que é:  O vivenciar dessa experiência.

Amado e amada, dentro desse conjunto, encontramos muitas coisas: doenças, dificuldades, privações, todos  instrumentos divino para o nosso aperfeiçoamento moral, ético, espiritual. Para o nosso progresso!  Então, esse conjunto nada mais é, do que o amor de Deus, em forma de lição, em forma de experiência, em forma de oportunidade, para que nós possamos olhar ao final de um dia de tarefa, e dizer com todas as letras: Eu consegui! Hoje eu fui melhor do que ontem, e amanhã eu serei ainda melhor, independente de privações, dificuldades, dores... Independente  amados... Tudo  isso só são ferramentas e as ferramentas são proporcionais as lições que nós temos que desenvolver. As lições que Deus, na sua generosidade, nos proporciona. Olhemos pra isso, e aí,  leremos em cada parte de nossa existência a verdade tal qual ela é, a verdade Divina, a verdade amorosa, a verdade que se desenha aos nossos olhos, tal qual ela é. Porque nós, teremos olhos de vê-la e compreendê-la, e extrair daquele momento, o melhor néctar... Como beija-flor, beijarmos a essência desse elemento divino, deixado pra nós e num voo cósmico,  e numa dança de amor eterno, encontrarmos a solução para todos os nossos problemas.

Muita Paz! Que o nosso amado Mestre Jesus, nos ajude, a tirarmos dos nossos olhos todas as visões equivocadas, ilusórias - as traves - como nos disse o nosso doce Raboni, e que nós possamos enxergar tal qual é, a realidade, e enxergar a beleza de Deus em cada um.

 

Muita, muita paz a todos, que Jesus nos abençoe hoje e sempre.

(*) A entidade espiritual faz referência à passagem evangélica lida anteriormente: “O óbulo da viúva” (ESE Cap. 13 -  ítem 4)

Filme Irmão Sol e Irmã Lua

Parte 4
Parte 5

Amad@s, vamos inspirados nesta Obra “Irmão Sol e Irmã Lua” que nos relata a vida deste Mestre de Amor: Francisco de Assis, tecer alguns comentários, ampliando o conceito  trabalhado neste passo: Prece.

Temos nestas duas partes do filme (as de números 4 e 5) uma tomada de consciência de Francisco, do sofrimento da criatura humana de sua época. Os trabalhadores de seu pai, traziam a marca da dor e do sofrimento. Ele percebe o quanto o ser humano pode ser infeliz e ao mesmo tempo, poderá ser feliz: “liberte-se disto! – enquanto jogava as roupas e tecidos de seu pai  - isto não traz a felicidade”...

Francisco liberta-se de uma das maiores amarras para nós encarnados: o apego à matéria.

As ilusões de felicidade ...

Ele então faz  uma caminhada rumo ao Pai! Deus! Pai de tod@s!

“...Quem é minha mãe e meus irmãos?
E, olhando em redor para os que estavam assentados junto dele, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos.
Porquanto, qualquer que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, e minha irmã, e minha mãe”... (Marcos 3:33-35)

Francisco faz neste momento uma opção de vida. Ele escolhe ser “mendigo”, como ele diz “como o Cristo e os discípulos eram”.

Amad@s, ele devolve ao pai as suas vestes e o nome... E caminha para o seu renascimento em espírito.

Um corpo de amor se desenha em Farncisco... um renascimento se dá!

Um corpo de idéias, de conceitos, de projetos de vida.

Uma maneira diferente de viver o amor... uma ressignificação de valores profundos e arraigados na alma.

E... uma nova prece  se controi. A prece de amor ao próximo. A prece da construção de um mundo de amor. Uma grandiosa prece em plena idade média...

E nós?  Somos convidados pelo Cristo a caminharmos em nosso tempo, em nossas verdades para estes campos de Amor...

Prece: Oração...

Ação do pensamento, da palavra, do ato...

Prece: um pensamento novo em ação... Um pensamento de Amor em comunhão com o Nosso Grande, Único, Onipresente e Onipotente  Pai: Deus!

Paz e  muito Amor.

Médium: uma pessoa interexistente

Depoimento do médium Francisco Cândido Xavier, em 10 de abril de 1988

 "(...) Há muitos anos, o professor Herculano Pires me dizia ser todo médium uma pessoa interexistente. Eu não compreendia muito bem o que ele queria exatamente dizer com isso e pedia-lhe maiores explicações. O professor tentava explicar-me, dizendo que o médium, ao mesmo tempo, vive duas realidades de vida distintas. Mas, mesmo assim, ficava eu por entender o que tentava me transmitir.

Passados alguns anos, quando o professor já havia desencarnado, compareci, como de costume, a uma reunião no Grupo Espírita da Prece, aqui em Uberaba. A reunião transcorria normalmente e comecei a receber, pela psicografia, uma mensagem de um rapaz recém-desencarnado, dirigida à sua mãe, que se encontrava aflita.

Durante a mencionada recepção da mensagem, enquanto minha mão escrevia, um espírito amigo aproximou-se e disse:

— "Chico, nós precisamos de você neste mesmo instante em uma reunião no plano espiritual, ligada por laços de afinidade ao Grupo Espírita da Prece. Você faça o favor de me acompanhar até lá!"

Com a devida permissão de Emmanuel resolvi, então, seguir o amigo em espírito. Andamos muito até chegarmos a um salão muito amplo. Lá dentro ocorria uma reunião e todos estavam em silêncio e prece. Com grande alegria, identifiquei a figura do professor Herculano Pires, presidindo o encontro. Cumprimentamo-nos rapidamente pelo pensamento e soube que deveria substituir um médium que havia faltado ao serviço.

Uma mãe em estado de sofrimento esperava obter notícias de seu filho. Ambos já estavam desencarnados, mas a respeitável senhora desesperava-se por não ter ainda se encontrado com o filho querido, desencarnado 10 anos antes dela. O estado íntimo de angústia dessa mãe impedia-lhe a visão do filho dileto, que se encontrava em condição espiritual um pouco melhor.

Assim, enquanto meu corpo físico psicografava uma mensagem de um rapaz no Grupo Espírita da Prece, em Uberaba, meu corpo espiritual também recebia uma mensagem de outro rapaz, com outro tema, na reunião do plano espiritual, completamente diversa da primeira.

 Quando tudo terminou, o professor veio falar comigo:

 — "Você entendeu agora, Chico, o que é ser interexistente?"

 Só então eu pude compreender o que ele quis me dizer. Nesse instante, lembrei-me de que minha abnegada mãe, D. Maria de São João de Deus, em uma de suas aparições, havia me asseverado com gravidade:

 — "Chico, a mediunidade é uma enxada bendita de trabalho quando sabemos aceitá-la com Jesus."

 E fiquei, então, a meditar sobre o assunto. (...)"

Do livro "Chico Xavier - Mandato de amor" | Organizado por Geraldo Lemos Neto | 4. ed. | União Espírita Mineira | 1997 | p. 99-100

O Homem em conexão com o divino

 Nesse 5º passo temos na Prece a fonte de inspiração da ação humana em prol do bem comum.  Toda ação humana em nosso amado planeta terra tem um valor moral agregado, e em comunhão com a regência espiritual que o ampara e conduz. Mas, a humanidade é, e sempre será, cuidadora e mantenedora de todas as ações que envolvem  esse princípio.

A vida humana nos oferece oportunidades para estarmos em conexão com as expressões da Lei Divina, cujo maior mandamento: “Amar a Deus sobre todas as coisas  e ao próximo com a si mesmo” - (Mateus, XXII: 34-40), pode ser vivido no ambiente intimo dos  valores morais, quando eu percebo o próximo como integrante da minha caminhada existencial, e no ambiente exterior, quando esses valores estão em atenção aos cuidados concretos de tudo o que nos cerca, ou seja, são plasmadores da realidade ambiental, e do nicho  ecológico ao qual pertencemos. O exterior é reflexo do interior. A conexão com o divino é o eixo de equilíbrio da vida humana, e, portanto do planeta.

Na entrevista de Chico Xavier, ocorrida no ano de 1972 à Rádio Mulher, no programa Limiar do Amanhã, na cidade de Uberaba/MG, nos oferece respostas à questões que são exemplos da conexão do homem com o divino e das consequências desarmônicas quando não há essa ligação.

 Nosso Amado Chico, na sua trajetória como trabalhador da seara de Jesus, nos oferece os mais variados exemplos da condição de médium, como podemos observar na definição do professor Herculano Pires: “O médium é uma pessoa interexistente, ou seja, ao mesmo tempo vive duas realidades de vidas distintas” – a da vida corpórea e ao mesmo tempo a da vida em espírito, possibilitando os mais variados tipos de assistência e auxílio, em ambos os planos. Assim, Chico nos presenteou com esse memorável diálogo, mostrando um fluxo contínuo da condição de interexistência.

Vamos a seguir observar a tabulação do tempo da entrevista para facilitar o acesso às questões perguntadas a Chico e dessa feita, ao plano espiritual:

 

Em 04:40 - O homem novo está entre nós em sua fase embrionária

 

Em 05:50 – “Teoria dos mutantes”-  pessoas provindas de outros planetas , com um super desenvolvimento cerebral – Emmamuel  refere que podemos considerá-los como balizas, seres que chamam a atenção para uma vida nova e exprimem  um desejo enorme de renovação e por vezes sem saber expor o que elas pensam e desejam.

 

Em 09:05 à 12:29 -  Problemas demográficos:  Crescimento da população, pontua que a cada 33 anos a população da terra dobra. Esse princípio é regido pelas Leis divinas, mas é de responsabilidade do homem a boa condução dessas questões.

 

Em 12:30 à  16:20 - O problema decorrente da poluição ambiental no campo dos relacionamentos humanos.  Emmanuel relaciona ao problema da poluição das ideias Cristãs no curso dos séculos. Esclarece-nos que poluição dos valores espirituais geram as atitudes de desrespeito entre os homens e destes com o meio ambiente.

 

Em 16:21 à 20:39 - As possíveis catástrofes geológicas para a expulsão de contingentes espíritos retrógrados do planeta. A espiritualidade nos explica que a catástrofe maior é a moral e a necessidade de vislumbrarmos uma época de mais entendimento fraternal entre as criaturas.

 

Em 20:40 à 26:04 - O despertar de novas faculdades psíquicas na espécie humana. A espiritualidade nos diz que o homem se liberta de cativeiros mentais e lidam com os valores e os problemas da mente humana.

 

Em 26:05 à 31:12 – Sobre o Brasil no futuro.  A espiritualidade se reporta ao papel significativo do Brasil na era do espírito.

 

Em 31:13 à 43:43 - Sobre aceitação do espiritismo em outros países. Chico observou na Inglaterra um clima de caridade e trabalho em auxílio aos doentes.  Esse trecho também aborda questões sobre o Brasil e algumas informações sobre os espíritos que aqui reencarnaram.

 

Em 43:44 até os minutos finais - Explanações sobre espíritos elevados, e de suprema elevação como Jesus.

 

Referências:

Evangelho Segundo o Espiritismo, tradução por Herculano Pires. Capítulo XI – Amar o próximo como a si mesmo – O maior mandamento.

Disponível em: https://evangelhoespirita.wordpress.com/capitulos-1-a-27/cap-11-amar-o-proximo-como-a-si-mesmo/o-maior-mandamento/

 

Médium : uma pessoa interexistente. Depoimento do médium Francisco Cândido Xavier, em 10 de abril de 1988.

Há muitas moradas na casa de meu Pai

 

Amad@s nós trouxemos esse vídeo, que mostra uma palestra de Haroldo Dultra, sobre o capítulo 3 do Evangelho Segundo o Espiritismo, para refletirmos, onde nós podemos encontrar Deus, e como vemos suas obras.
A prece não é apenas um ritual, ou um culto, a prece é também o nosso entendimento: A nossa percepção de mundo. É como lidamos com os afetos, desejo de amar, e caminhar junto à Jesus, e quando botarmos esses sentimentos em prática, no nosso dia a dia, é ai que a prece se dá.
 

palavras de um integrante do grupo de jovens G.A.E.B. (Grupo de Artes Euripedes Barsanulfo).

Pintura mediúnica - Arte espírita

Entrevista com a médium Valdelice Salum à TV Matão. Valdelice é médium de  psicopictografia, mais conhecida como pintura mediúnica, e está há aproximadamente 40  anos trabalhando e servindo como: "instrumento de trabalho para que artistas renomados no passado, possam continuar trazendo beleza e cor para a humanidade (...)", de acordo com informações presentes em seu site: http://www.pinturamediunica.com.br/valdelice_salum.php

Nasceu no inteiror da Bahia, em Condiuba, na roça, como ela mesma diz. Nunca frequentou a escola. Foi para São Paulo aos 7 anos e relatava desde sempre ver as pinturas se misturando com as paisagens rurais. Resolveu então, procurar o médium Chico Xavier em busca de orientação:
"Contei o que se passava comigo e ele mandou que eu procurasse um centro para desenvolver minha mediunidade, pois os artistas estavam ali do meu lado, aguardando o momento de dar início ao trabalho.' Assim entrou na doutrina com fé, confiança em Deus e foi esperando o que o destino lhe reservava."

Nos 40 anos de caminhada cristã, Valdelice já pintou telas assinadas por Picasso, Monet, Renoir, Portinari, Miró, Dali, Aleijadinho, Anita Malfatti, Cézanne, Lasar Segal, Manet, Vincent Van Gogh, Tarsila do Amaral, Matisse, Toulouse-Lautrec e entre outros grandes artistas.

Na prática da caridade, ela e seu grupo doam o valor ganhado com as obras feitas à trabalhos assistenciais, vivendo a fé ativa, aquela que trabalha e conecta-se com o divino,  plasmando amor, evangelizando através das cores, transformando assim, seu trabalho em uma verdadeira prece em forma de arte, um instrumento de Deus da Terra.

palavras de um integrante do grupo de jovens G.A.E.B. (Grupo de Artes Euripedes Barsanulfo).