Caminho para Desobsessão

"Aquele que encontrou Jesus, já começou o processo de libertação interior e de desobsessão natural. Conquanto emparedado no casulo carnal, torna-se o espírito livre que pode flutuar além das vicissitudes, em perfeita alegria ante a primavera eterna do mundo espiritual, de que já participa, na busca do sol do amor, que é o supremo governador da Terra, nosso modelo e guia: Jesus!”

 Eurípedes Barsanulfo - Sementes de Vida Eterna

“Todos possuímos desafetos de existências passadas, e, no estágio de evolução em que ainda respiramos, atraímos a presença de entidades menos evolvidas, que se nos ajustam ao clima do pensamento, prejudicando, não raro, involuntariamente, as nossas disposições e possibilidades de aproveitamento da vida e do tempo. A desobsessão vige, desse modo, por remédio moral específico, arejando os caminhos mentais em que nos cabe agir, imunizando-nos contra os perigos da alienação e estabelecendo vantagens ocultas em nós, para nós e em torno de nós, numa extensão que, por enquanto, não somos capazes de calcular. Através dela, desaparecem doenças-fantasmas, empeços obscuros, insucessos, além de obtermos com o seu apoio espiritual mais amplos horizontes ao entendimento da vida e recursos morais inapreciáveis para agir, diante do próximo, com desapego e compreensão"

 

Do livro “Desobsessão”-André Luiz – Psicografia de Francisco C. Xavier e Waldo Vieira.

Desobsessão

“Influem os Espíritos em nosso pensamento, e em nossos atos?”. Muito mais do que imaginais. influem a tal ponto, que, de ordinário, são eles que vos dirigem.”

 

 (O Livro dos Espíritos, Allan Kardec, questão 459.)

 

“Desobsessão — Des / obsessão. Des — Falta, ausência, negação. Desobsessão — Ato de tirar a obsessão.

Desobsessão, em sentido amplo, é o processo de regeneração da Humanidade. É o ser humano desvinculando-se do passado sombrio e vencendo a si mesmo. Em sentido restrito, é o tratamento das obsessões, orientado pela Doutrina Espírita.”(1)

 

“A obsessão é a ação persistente que um Espírito mau exerce sobre um Indivíduo. Apresenta caracteres muito diversos, desde a simples influência moral, sem perceptíveis sinais exteriores, até a perturbação completa do organismo e das faculdades mentais.”

(O Evangelho segundo o Espiritismo, Allan Kardec, capítulo 28º, Item 81.)

 

Obsessão — do latim obsessione. Impertinência, perseguição, vexação. Preocupação com determinada idéia, que domina doentiamente o espírito, e resultante ou não de sentimentos recalcados; idéia fixa; mania. (2)

Vulgarmente a palavra obsessão é usada para significar idéia fixa em alguma coisa, gerando um estado mental doentio, daí podendo advir manias, cacoetes, atitudes estranhas. Entre nós, espíritas, o termo tem acepção mais profunda, tal como foi colocado pelo Codificador. Confrontando a significação vulgar do vocábulo e a definição de Kardec, verificaremos que a “preocupação com determinada idéia, que domina doentiamente o espírito”, pode também resultar da certeza da culpa existente nos recessos da mente, denotando realmente “perseguição” a traduzir-se na presença do obsessor que vem desforrar-se do antigo algoz ou comparsa. Esclarece ainda o mestre lionês: (...) “a obsessão decorre sempre de uma imperfeição moral, que dá ascendência a um Espírito mau.” (...) “Quase sempre a obsessão exprime vingança tomada por um Espírito e cuja origem freqüentemente se encontra nas relações que o obsidiado manteve com o obsessor, em precedente existência.”(3)

“ Obsessão — cobrança que bate às portas da alma — é um processo bilateral. Faz-se presente porque existe de um lado o cobrador, sequioso de vingança, sentindo-se ferido e injustiçado, e de outro o devedor, trazendo impresso no seu perispírito as matrizes da culpa, do remorso ou do ódio que não se extinguiu.”(1)

 

TRATAMENTO DAS OBSESSÕES

 “O tratamento de obsessões (...) não é trabalho excêntrico, em nossos círculos de fé renovadora. Constitui simplesmente a continuidade do esforço de salvação aos transviados de todos os matizes, começado nas luminosas mãos de Jesus.”

Pão Nosso, Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, capítulo 175.)

“Autodesobsessão: Ato de promover a própria pessoa a sua desobsessão, através da reforma íntima, tal como esclarece a Doutrina Espírita. Autodesobsessão, sinônimo de auto-evangelização, de auto-reforma. É o ser humano lutando para dominar as suas más tendências e inclinações.”(cap 18)(1)

 

“(...) É, pois, indispensável que o obsidiado faça, por sua parte, o que se torne necessário para destruir em si mesmo a causa da atração dos maus Espíritos.” (O Livro dos Espíritos, Allan Kardec questão 479.)

 

 

Amad@s, a nossa Casinha Belém tem como proposta um

CAMINHO PARA A NOSSA DESOBSESSÃO.

Entendendo a desobsessão como um processo de autoconhecimento e de  reforma íntima, e desta forma, um caminho que só faremos de maneira consensual  e em sintonia com os nossos protetores espirituais.

Caminho para a Desobsessão é o material de amparo espiritual oferecido pela Casa Assistencial “Francisco Cândido Xavier” para tod@s que buscam restabelecer os vínculos perdidos. Restaurando a libertação interior, em busca de novos passos para uma vida de Amor, Paz e Felicidade.

 

Este material é composto por 12 passos. Cada Passo disponibiliza a você, uma psicofonia, em áudio e texto. Além de um conjunto de materiais de apoio que lhe trarão alguns exemplos de vida, e junto com eles, o convite à reflexão, para fazermos dessa caminhada, um exercício de amor.

 

O conjunto das 12 psicofonias que compõem os passos são frutos das mensagens de orientações da Espiritualidade Amiga, ao longo do Tratamento da Desobsessão realizado na Casa Assistencial “Francisco Cândido Xavier” – Casinha Belém.

 

As Psicofonias nos oferecem possíveis pistas, do caminho cristão. E, nesse caminho, passamos a acender a luz que brilha, e vive em nós.  

Os Primeiros 04 passos: Reforma íntima. Buscando a Paz. Encontrando o Amor que adoeceu e Tratamento, nos auxiliarão a fazer nascer o novo homem em nós. De maneira semelhante ao caminhar cristão de Santa Teresa D’Ávila, ao descrever as 07 Moradas, ou Moradas da alma, ela nos diz assim: “As primeiras moradas, (as 04 primeiras moradas) são a entrada na vida espiritual e servem de base para todas as outras.”

Assim como Santa Teresa D’Ávila descreveu nas 04 Primeiras Moradas, os 04 primeiros passos do tratamento da desobsessão também se propõem a adentrar no autoconhecimento; reconhecendo que existem ajudas, e que todas são necessárias para prosseguir.

O 1º Passo: Reforma Íntima – Este passo é iniciado quando “decidimos seguir o caminho de Deus, buscar Deus em nós”, como nos mostra Santa Teresa.  E segundo a mesma, poderemos também colher os frutos que plantaremos nessa Morada - Passo inicial. Eles são: a liberdade, a humildade, o desprendimento e, acima de tudo, a caridade. É neste momento que tomaremos consciência de que esses passos são guiados e determinados por Deus – o quando, e de que forma faremos a nossa reforma íntima.

O 2º Passo: Buscando a Paz – Neste passo detalharemos a nossa relação com o mundo – a impaciência, a vitimização, a ingratidão, etc. E passaremos a exercitar o que já existe em nós contra os males do mundo para buscar a Paz. Santa Teresa nos anuncia que: “nossa arma contras os males mundanos seria a fé em Cristo, aquele que se sacrificou pra nos salvar, salvar a humanidade, nos libertar.”

O 3º Passo: Encontrando o Amor que adoeceu – Aqui ampliaremos o olhar sobre nós mesmos, pois somos reflexos de muitas ilusões. Poderemos reconhecer o egoísmo, o orgulho e a vaidade que habitam em nós. Ao refletirmos sobre o terceiro passo, encontraremos o que Teresa nos mostra, que o esclarecimento da nossa relação com nós mesmos, com o nosso “eu” nos reintegra a humanidade, e, portanto a Deus – O Amor, Pleno, Saudável em nós.

O 4º passo: Tratamento – Compreenderemos que o Amor adoecido é uma forma de medicamento, amoroso de Deus para nós. Para Santa Teresa: “A partir daqui a paz vai se instaurando aos poucos em nosso interior, em nossa alma. A confiança, a humildade e a gratidão são realidades que passam a ser vividas com mais naturalidade.”

 

Os 5º e 6º passos: Prece e Caridade – A entrada nestes passos marca a expressão de Deus em nós. Na caridade - prece ativa, intensificamos os elos com Deus. Assim como a 5ª Morada de Teresa, o conjunto destes dois passos nos faz sentir que Deus está vivendo em nós.

Os 7º, 8º e 9º passos: O Cristo Consolador. Lei divina e Perseverança – O conjunto destes passos expressa a nossa sintonia com a Lei de Amor. É o que Teresa D’Ávila, chama de “firmamento do compromisso espiritual”, presente na 6ª Morada. É nesse momento que compreendemos em plenitude que: “A Terra ainda é um planeta de dor, a dor habita em nós, mas com Jesus, tudo é mais leve”.

Os 10º, 11º e 12º passos: Liberdade - Perdão e Fé - Alimento do espírito – O último conjunto é a união fortificada com Deus. Noss liberdade está no desejo de ajudar a todas as pessoas. Não há mais amarras. O perdão incondicional nos faz colocar em primeiro lugar os outros e a nos colocar em último, Teresa nos mostra que na 7ª morada, assim como no conjunto dos 3 últimos passos, “temos forças para assumir nossos compromissos terrenos e ver a realidade como ela é, sem as máscaras do egoísmo e da vaidade.”

(1) Do livro OBSESSÃO E DESOBSESSÃO  Suely Caldas Schubert Lançamento da 1ª edição em 1981  cap 29, Digitalizada por:  L. Neilmoris © 2008 – Brasil  www.luzespirita.org.

(2)Novo Dicionário da Língua Portuguesa, Aurélio Buarque de Holanda Ferreira. (3) A Gênese, Allan Kardec, capítulo 14º, item 46, 22.’ edição FEB.

Para maior aprofundamento das sete moradas de Teresa D'Ávila, recomendamos o filme abaixo que nos mostra o caminhar espiritual de Edith Stein.

A Sétima Morada - Santa Edith Stein

1995 ‧ Drama/Filme de guerra ‧ 1h 48m

Edith Stein, uma filósofa judia, se converte ao catolicismo. Durante a Segunda Guerra Mundial, o professor Joseph Heller se torna um importante oficial nazista, e deporta Edith para o campo de concentração de Auschwitz, na Polônia.